Confederação Portuguesa das Colectividades

  • Recebemos o Secretário de Estado de Estado da Juventude e do Desporto

  • O CNAP entregou proposta de alteração ao OE2017

  • Lançamento "Análise Associativa nº 3"

  • Apresentação do Conselho Nacional do Associativo Popular

  • Apresentação do Livro do Congresso Nacional das Colectividades, Associações e Clubes

Estudos e Publicações

Formação e Qualificação

Projectos Nacionais

  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais
  • Projectos Nacionais

Galeria de Imagens

Historial

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Síntese História

No início dos anos 20 do século passado, fizeram-se várias tentativas para a criação de uma estrutura que possibilitasse a cooperação regular e continuada  entre as sociedades de recreio;

Em 1924, nos dias 31 de Maio, 1, 2 e 3 de Junho, realizou-se em Lisboa, na extinta Academia Recreativa de Lisboa, popularmente designada por “Academia do Socorro”, o 1.º Congresso Regional das Sociedades de Recreio, com a presença de 65 sociedades, tendo-se constituído a Federação Distrital das Sociedades Populares de Educação e Recreio que foi fundada por 47 sociedades. Aí foram aprovadas as bases estatutárias.

O Conselho Federal (equivalente à Assembleia Geral) em sessão de 8, 16, 23 e 26 de Dezembro de 1925 aprovou os estatutos que tinham 54 artigos.

Em 1934, de 30 de Maio a 8 de Junho, realizou-se em Lisboa o 2.º Congresso Regional, que aprovou novos estatutos, com 75 artigos, passando a designar-se Federação das Sociedades de Educação e Recreio e dá abertura à criação de Delegações (ou Associações) nas capitais de distrito.

Em 1938, voltou a falar-se em novo Congresso.

Em 1939, a direcção propõe a realização do I Congresso Nacional das Colectividades de Educação e Recreio, com duas características: congresso aberto a todas as colectividades e alteração da designação de Sociedades de Recreio para Colectividades de Recreio.

Em 1940, de 15 a 29 de Dezembro, realiza-se em Lisboa, o 3.º Congresso Regional e 1º Congresso Nacional, onde foram apresentadas 34 teses. Inscreveram-se 275 colectividades, das quais 57 não eram federadas. Os estatutos aprovados continham 338 artigos e a designação passou a Federação Portuguesa das Colectividades de Educação e Recreio e também inscrevia pelouros, entre os quais o Musical. Estes estatutos nunca foram considerados pelo Governo, mesmo após cedências significativas no seu articulado.

Por despacho de 13 de Março de 1949, o Ministro do Interior nomeou uma Comissão para elaborar projecto de estatutos, constituída por: Governador Civil, presidente; presidente da direcção da FSER, vogal; presidente do Ateneu Comercial do Porto, vogal; presidente da Sociedade Musical Capricho Setubalense, vogal e jornalista Leopoldo Nunes, relator.

Em 1949, de 24 a 31 de Julho, realizou-se em Lisboa, o 4.º Congresso Regional e 2.º Nacional, em que se inscreveram 472 colectividades, tendo sido aprovados os seus estatutos com 81 artigos. Estes estatutos foram aprovados pelo Ministério da Educação, por despacho ministerial de 6 de Julho de 1950, mas o Ministério do Interior não se manifestou...

Em 1974, no dia 21 de Junho é eleita uma Comissão Administrativa, presidida por João Cid Castelo Branco que tomou posse em 25 de Junho. Esta Comissão decidiu manter os estatutos desde que não implicasse com a nova ordem  vigente.

A Comissão aprovou em Janeiro de 1975 as designadas “Bases Programáticas” que davam nova orientação ao trabalho do movimento associativo.

Em 1987, no dia 7 de Setembro, realizou-se em Lisboa o Congresso da Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura e Recreio que aprovou novos estatutos que contêm 59 artigos. Escritura pública no 23.º Cartório Notarial de Lisboa, a 19 de Janeiro de 1988, sendo publicado extracto no Diário da República, III Série, n.º 41, de 19 de Fevereiro de 1988.

Em 1993, nos dias 30 e 31 de Outubro, numa organização conjunta da F.P.C.C.R. e da Federação das Colectividades do Distrito do Porto de Educação, Recreio e Desporto (Estatutos aprovados em 7 de Julho de 1944), realizou-se na cidade de Almada o 3.º Congresso Nacional das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, com a presença de 700 colectividades. Neste Congresso definiram-se algumas orientações sobre o trabalho a desenvolver e sobre a própria estrutura nacional do movimento associativo de raiz popular.

Em 2001, nos dias 6, 7 e 8 de Abril, realizou-se na cidade de Loures, o 4.º Congresso Nacional das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, com cerca de 1200 congressistas em representação de 850 colectividades. De entre as conclusões deste destacamos a criação de uma estrutura coesa e organizada, abrangendo todo o movimento associativo de raiz popular, com uma entidade de topo, a Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto e com dois níveis de estruturas descentralizadas, as associações concelhias de colectividades, no âmbito dos concelhos e as federações distritais ao nível dos distritos.

Cumprindo esta orientação do Congresso, durante os meses de Março e Abril, em Assembleia Geral, discutiu-se um novo projecto de estatutos e, no dia 29 de Maio de 2003, outorgou-se a escritura pública de alteração dos Estatutos da FPCCR, transformando-a em Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto (CPCCRD).

Actualmente a CPCCRD, com mais de 80 anos, conta com cerca de 38 estruturas descentralizadas por todo o país, e mais de duas mil associadas, baseando a sua actividade no reconhecimento e valorização do movimento associativo popular, nomeadamente através da formação, da apresentação e discussão de diplomas legais adequados e justos para as colectividades de cultura, recreio e desporto e de alguns projectos específicos nas áreas da actividade física e desporto lazer, dos jogos tradicionais, das novas tecnologias e da própria actividade musical.

Copyright © 2011 Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura Recreio e Desporto